;

terça-feira, 24 de agosto de 2010

RIO GRANDE DO NORTE DOENTE: UNICAT DESABASTECIDA


Falta de medicamentos na Unicat volta preocupar MP

A falta de medicamentos no Rio Grande do Norte para tratar pacientes com Alzheimer preocupa novamente o Ministério Público e os familiares dos pacientes. Dessa vez, são os remédios Erans de 5 mg e Exelon, 1.6 mg que estão em falta na Central de Agentes Terapêuticos - UNICAT.

A promotora de Justiça do Idoso, Iadya Gama Maio, instaurou inquérito civil para apurar a falta de medicamentos na Central há aproximadamente 5 meses. A promotora disse que na última sexta-feira, 20, recebeu cópia de uma Ordem de empenho para a compra desses remédios, encaminhados pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap).

“A secretaria informou que até a próxima sexta-feira, 28, o fornecimento estará normalizado. Vou aguardar o prazo e verificar se foi fornecido aos pacientes”.

Os medicamentos que estão faltando tem como princípio ativo a Donepezila e a Rivastigmina, inibidores de enzimas que atacam regiões do cérebro responsáveis por transmitir impulsos nervosos. Sem o tratamento, os pacientes apresentam uma avanço nos lapsos de memórias, uma das características da doença, ao provocar o esquecimento da memória passada e recente.

Para a psiquiatra Euglena Lessa a falta do remédio atrapalha o tratamento, por causa da rápida evolução da doença. “Sem cura o Alzheimer tem que ser combatido com os remédios, somado a um tratamento multidisciplinar, através de uma equipe formada por diversos profissionais, desde geriatras até fisioterapeutas”.
.

Nenhum comentário: